< Voltar

As possibilidades do financiamento imobiliário

Especialistas da CrediPronto explicam as vantagens de financiar imóveis, principalmente no alto padrão, e falam sobre as expectativas do mercado

 

Em bate-papo recente na Esquema Imóveis, os especialistas da CrediPronto (joint venture do Itaú) Eduardo Finoti, Érika Campos e Eduardo de Bem traçaram um panorama das perspectivas do mercado de financiamento imobiliário para este ano, no que diz respeito às taxas de juros e avaliação de crédito.

As taxas de juros impactam fortemente o mercado imobiliário. Ainda que o alto padrão não seja necessariamente dependente de crédito bancário, essas taxas acabam influenciando as decisões de compra, principalmente no caso de investidores.

Conforme explica Érika Campos, superintendente comercial da CrediPronto, o ano passado foi de recordes em VGV e crescimento para o mercado de crédito imobiliário. “De forma geral, incluindo todos os bancos, foram financiados R$ 165 bilhões, um aumento (comparado a 2020) de 76%. Realmente, foi um ano incrível para esse segmento, que se refletiu também no nicho de venda de imóveis”, observa.

 

 

Érika destaca que, em 2021, estima-se que foram mais de R$ 232 milhões em VGV de imóveis financiados, uma marca bastante representativa para o mercado de crédito. “Além disso, a taxa média contratada no mercado foi em torno de pouco mais de 8% – que acreditamos ser a menor da história”, salienta. No que diz respeito ao market share, o Itaú foi o líder entre os bancos privados, com representatividade de R$ 45 bilhões e uma participação de 28% do mercado.

Para a CrediPronto, também foi um ano de recordes, com mais de 6 bilhões em financiamentos emitidos e um crescimento de 106% (comparado a 2020), superando o mercado. Em se tratando do segmento de alto padrão, a CrediPronto aumentou em 213% o número de negócios com esse perfil de clientes.

Quando se analisa o primeiro bimestre de 2022, esses números se mantêm. “Entre janeiro e fevereiro deste ano, o mercado emitiu R$ 20,8 bilhões em financiamento. O crescimento (aparentemente pequeno) foi de 0,3%. Porém, estamos comparando esses números com os de um período de recordes e totalmente ‘fora da curva’, que foi o ano passado”, explica a superintendente comercial da CrediPronto.

 

Impactos da taxa Selic

Segundo Érika, a Selic impacta diretamente todos os segmentos, inclusive o de crédito imobiliário. A taxa vem se mantendo em alta – o que, segundo a superintendente comercial, é uma estratégia utilizada pelo Banco Central para segurar a inflação. “Nós tivemos uma Selic a 2%, que foi a menor da história do país. Ela foi crescendo e hoje está em 11,75%, mas a expectativa do mercado é de que encerre o ano em 13% e volte a cair a partir de março do ano que vem, quando deve haver um equilíbrio da inflação”, afirma.

 

 

Érika aponta ainda que a taxa de juros dos bancos, atualmente, está menor do que a Selic. Essa é uma ótima referência, para o investidor analisar o que vale a pena, em determinado contexto. “A taxa abaixo da Selic é benéfica para o cliente que deseja financiar. Além de se manter capitalizado, ele vai ter o ganho patrimonial do imóvel. Ou seja, tem benefício de ambas as partes”, ressalta. “Especialmente no segmento de alto padrão, em que existe a possibilidade de comprar um imóvel à vista, é interessante fazer essa comparação. O que se ganha, deixando o dinheiro aplicado e financiando o imóvel? As principais vantagens são a maximização da rentabilidade e a manutenção da liquidez.”

Mas como os bancos conseguem manter essa taxa de juros abaixo da Selic? “Eles utilizam saldo da poupança, que é uma fonte de fundos com custo muito competitivo”, responde Érika. Para a especialista, a previsão é que as taxas se mantenham equilibradas, a não ser que os correntistas de bancos passem a retirar seu dinheiro da poupança e as instituições sejam obrigadas a buscar novos fundings.

 

Parceria vantajosa

Se, para o cliente, é vantajoso manter seu dinheiro aplicado e financiar a aquisição, na Esquema Imóveis ele ganha também em praticidade, já que pode adquirir o financiamento dentro da própria imobiliária, que tem uma parceria de longa data com a CrediPronto. “O atendimento é personalizado, tailor-made, e todo o processo acontece dentro da própria imobiliária. Ou seja, o cliente não precisa sair para absolutamente nada, nem ir até o banco para fazer a transação com seu gerente. A parceria existe justamente para fazer com que tudo aconteça de forma mais ágil”, diz Eduardo Finoti, consultor de negócios imobiliários da CrediPronto.

Essa solução totalmente fidelizada, em que o cliente se sente seguro para adquirir o produto e conta com atendimento especializado, tem como resultados a fidelização e a satisfação, do início ao fim da negociação imobiliária. “A troca de informações também nos permite sinalizar o potencial de crédito de um cliente, que muitas vezes pode ser maior do que o proposto, dando margem para que os corretores possam ofertar produtos diferentes. A ideia é criar o cenário ideal para o cliente”, completa Finoti.

Quanto às expectativas para o futuro, os especialistas buscam referências no volume de crédito imobiliário dos anos anteriores, fazendo algumas correlações. O ano de 2014, por exemplo, teve um VGV muito bom, com taxa Selic média de 11,75% (a mesma taxa atual), além de também ser um ano de eleições presidenciais. Tendo isso em vista, e considerando o atual momento do mercado imobiliário, a previsão é de que 2022 não alcance o ano passado, em volume de negociações, mas que ainda assim seja melhor do que 2020 (que teve a segunda melhor performance, desde 2013). Ou seja, o mercado segue apostando no otimismo. “A tendência de tratativa, negociação e financiamento continua em alta”, aponta Eduardo de Bem, gerente comercial da CrediPronto.

De acordo com ele, o mercado imobiliário se recuperou muito bem da pandemia e os imóveis se mantêm como investimentos sólidos. “Muitos sentiram a necessidade de ampliar seus imóveis ou de fazer aquisições com outros padrões, para trabalhar em home office. O dólar muito elevado também fez com que as pessoas viajassem menos e os investimentos fossem mais centralizados na aquisição de imóveis. Isso provocou uma movimentação contínua no mercado, que ainda será percebida nos próximos anos”, conclui o gerente.

 

ARTIGOS
RELACIONADOS

Entre os maiores benefícios dos contratos digitais estão a segurança e a praticidade para agilização dos processos   O mundo está em constante transformação. No início deste ano, sequer podíamos imaginar que passaríamos por uma pandemia global, que nos colocaria em quarentena. Nos meses que se seguiram, aprendemos que a…

Vinicius Nageishi, da área de desenvolvimento imobiliário da Esquema Imóveis, fala sobre as vantagens e perfis de imóveis em cada zoneamento   A escolha de um imóvel para morar ou investir, seja ele pronto ou em fase de lançamento, precisa levar em consideração um aspecto muitas vezes deixado de lado:…

O atendimento online se tornou uma realidade definitiva para quem busca imóveis de alto padrão. O que mais irá mudar?   Com a necessidade do isolamento social por conta da pandemia do coronavírus, uma nova realidade se apresentou para profissionais dos mais diversos setores. O mercado imobiliário de alto padrão,…

A transformação da Cidade Jardim e do Jardim Guedala Novos e sofisticados empreendimentos em bairros no Sudoeste paulistano atraem compradores em busca de qualidade de vida e áreas verdes por metade do preço do vizinho famoso, o Itaim Confira a matéria completa.  

Saiba mais sobre o passo a passo desse trabalho que prepara o imóvel e acelera a venda no mercado   Ferramenta de marketing que transforma imóveis em verdadeiros cenários de revista, o home staging está conquistando o mercado imobiliário e tem tudo para se tornar uma tendência no Brasil. Trata-se…

Cada vez mais, as mulheres conquistam espaço no competitivo e lucrativo mercado da corretagem de imóveis   Ao longo das últimas décadas, as mulheres têm ocupado o mercado de trabalho e obtido cada vez mais independência financeira. Houve uma evolução significativa no que diz respeito à atuação e participação feminina…

Região de alta concentração de renda, com empreendimentos comerciais e residenciais, o Itaim Bibi tem atraído jovens profissionais e investidores   Inspirados nos Yuppies (abreviação para Young Urban Professional, jovens executivos do mercado financeiro e corporativo norte-americano, em especial da cidade de Nova York), os paulistanos criaram sua própria denominação:…

O gerente de lançamentos da Esquema Imóveis, David Farah, fala sobre como evitar a desvalorização de seu imóvel   Talvez uma das maiores preocupações de proprietários de imóveis seja a desvalorização do seu patrimônio. Por isso, é importante conhecer os principais aspectos que podem desvalorizar uma casa ou apartamento. “Alguns…