Arquitetura e Decoração,  Viagem

10 museus com arquitetura inspiradora

Descubra alguns dos mais incríveis museus ao redor do mundo, com projetos arquitetônicos absolutamente inspiradores

 

O Brasil é um país de arquitetura extremamente diversa e com vários museus incríveis, cujos projetos arquitetônicos receberam reconhecimento dentro e fora do país – apenas para citar alguns exemplos, temos o MASP, de Lina Bo Bardi; o MON, de Oscar Niemeyer; a Pinacoteca do Estado de SP, de Paulo Mendes da Rocha; e o Museu do Amanhã, de Santiago Calatrava.

No exterior, também encontramos inúmeros museus inspiradores, no que diz respeito à arquitetura. Por isso, selecionamos aqui alguns dos projetos mais incríveis de museus ao redor do mundo – excelentes opções turísticas para quem pretende aproveitar o final do ano para viajar e conhecer lugares interessantes.

 

Museu de Arte de Niterói, Brasil

Um dos projetos mais icônicos no Brasil certamente é o Museu de Arte de Niterói, criado por Oscar Niemeyer. Com formato arrojado, a construção está localizada na Baía de Guanabara, tendo o mar como pano de fundo e uma vista panorâmica. O museu foi construído em 1996 e reflete muito bem a afinidade do arquiteto com as curvas: a ideia era de que o edifício passasse uma impressão de movimento, erguendo-se do chão como uma flor entre as pedras.

 

Guggenheim de Bilbao, Espanha

A fachada do Guggenheim de Bilbao, na Espanha, é nada menos do que impressionante. Ela é composta por elementos arredondados, em titânio, calcário e vidro, com design totalmente contemporâneo do arquiteto norte-americano Frank Gehry. Localizado à beira do Rio Nervión, o museu tem formas que lembram um barco e sua inauguração ajudou a revitalizar a área portuária da cidade, atraindo turistas do mundo inteiro.

 

Cidade das Artes e das Ciências, Espanha

Também na Espanha, em Valencia, a Cidade das Artes e das Ciências é um projeto do conceituado arquiteto espanhol Santiago Calatrava. Com fachada em tons claros e totalmente geométrica, o enorme complexo cultural foi inaugurado em 1998 e sua construção custou mais de 1 bilhão de euros. O museu possui uma área interativa, cinema IMAX, planetário, opera house, auditório para concertos, um jardim de esculturas e um parque oceanográfico a céu aberto.

 

Museu de Arte Islâmica, Qatar

Com formato geométrico, composto por uma série de cubos sobrepostos e com diversos terraços, o Museu de Arte Islâmica está localizado em Doha, no Qatar. Projetado por I.M. Pei, arquiteto vencedor do prêmio Pritzker, o museu foi instalado em uma península, à beira do mar. O prédio principal conta com cinco andares, com uma ala de educação adjacente, conectada por um grande jardim. Embora seja uma construção contemporânea, de 2008, o projeto se inspirou na arquitetura islâmica antiga, especialmente na mesquita Ibn Tulun, no Cairo.

 

Fundação Louis Vuitton, França

Com uma fachada simplesmente extraordinária, em vidro, concreto e madeira, a Fundação Louis Vuitton está localizada no Bosque de Bolonha, na cidade de Paris, na França. O prédio, inaugurado em 2014, abriga um museu e um centro cultural voltados às artes contemporâneas, com dois andares e 11 galerias. O projeto também é do arquiteto Frank Gehry (o mesmo que criou o Guggenheim de Bilbao) e seu design foi inspirado no formato de nuvens, desafiando a gravidade e trazendo rupturas que inspiram novas perspectivas.

 

Museu Hanoi, Vietnam

O prédio tem o formato de uma pirâmide invertida, com esculturas de animais na parte externa, como se estivesse flutuando em meio à paisagem. Projetado pelo escritório de arquitetura GMP, o museu foi aberto em 2010 para abrigar artefatos da história milenar da cidade de Hanoi, no Vietnam. Cercada por um parque, com espelhos d’água, a construção celebra o patrimônio histórico e cultural das vilas tradicionais vietnamitas. O centro do prédio possui um átrio circular, que dá acesso aos três níveis, onde são distribuídas as exibições.

 

Museu Soumaya, México

A peculiar fachada do Museu Soumaya, inaugurado em 1994 e reformado em 2011, na Cidade do México, é composta por 16 mil placas de alumínio hexagonais, com projeto do arquiteto mexicano Fernando Romero. A construção traz elementos de vanguarda, com sua estrutura prateada e assimétrica, moldada de forma a lembrar as esculturas do artista francês Auguste Rodin. Fundado por Carlos Slim, um dos homens mais ricos do mundo, o museu conta com 66 mil obras de arte, que perpassam 30 séculos de história, e é conhecido por abrigar a maior quantidade de esculturas de Rodin fora da França.

 

Museu Judaico de Berlim, Alemanha

Com uma fachada repleta por angulações em tons cinzentos, o Museu Judaico em Berlim, na Alemanha, foi aberto em 2001. O complexo também inclui um antigo prédio em estilo barroco, sendo que o anexo moderno foi projetado pelo arquiteto polonês Daniel Libeskind (também autor do Conjunto Nacional, em São Paulo), que deu à construção o nome de “Entre Linhas”. O prédio é composto por uma espécie de ziguezague, com ângulos que formam vértices, em titânio e zinco. Seu objetivo foi abarcar toda a complexidade da história alemã-judaica, transmitindo sensações como insegurança e desorientação, que remetem a esse período obscuro da trajetória mundial.

 

Museu Ordos, China

Construído com tijolos de metal polido, o Museu Ordos, na cidade de mesmo nome, na China, foi finalizado em 2011. A obra, projetada pelo escritório de arquitetura MAD, tem estrutura circular e lembra uma enorme bolha ondulante. Seus materiais foram escolhidos para suportar as tempestades de areia que assolam constantemente a região. Já na parte interna, que conta com um jardim, as galerias são distribuídas em bolhas menores, conectadas por pontes. Localizada no meio do deserto, Ordos foi construída em 2004 e chegou a ser considerada uma cidade fantasma moderna, pela falta de habitantes.

 

Galeria de Arte de Alberta, Canadá

No exterior da Galeria de Arte da cidade de Alberta, no Canadá, um projeto de Randall Stout Architects, as formas remetem a um gigantesco laço de metal, envolvendo a entrada de vidro. O restante do prédio, em tons acinzentados e sóbrios, contrasta com as linhas assimétricas das partes em vidro e metal. Essas linhas, que parecem dar vida à fachada, receberam o nome de “borealis”, porque representam as luzes do norte (aurora boreal), uma ocorrência frequente no céu da região. A galeria conta com uma coleção de mais de 6 mil obras de arte contemporânea, mas seu destaque com certeza está na arquitetura ousada e inspiradora.

 

Spread the love