< Voltar

O que podemos aprender com o Renascimento

A arte renascentista, que surgiu em um dos períodos mais conturbados da história humana, nos ensina a ver as dificuldades como fontes de inspiração

 

“Aprender é a única coisa de que a mente nunca se cansa, nunca tem medo e nunca se arrepende”. A frase do artista e inventor Leonardo da Vinci nunca pareceu tão atual. Em um mundo no qual precisamos rever nossos conceitos todos os dias e pensar em soluções criativas para lidar com situações novas, o saldo positivo certamente é o aprendizado.

A arte sempre foi reflexo do contexto histórico em que está inserida. O chamado Renascimento, período entre os séculos XIV e XVII, considerado um momento de transição da Idade Média para a Idade Moderna, é um exemplo perfeito de como, depois de uma grande crise na Europa, sucedeu-se uma completa reviravolta no pensamento ocidental.

Para contextualizar, quando o movimento renascentista surgiu na Itália, muitos países europeus acabavam de sair do que se tornou conhecida como a “idade das trevas”, uma fase marcada pelo obscurantismo e misticismo, heranças de um sistema feudal em que eram comuns os conflitos armados, a fome e epidemias como a Peste Negra.

Após as trevas, no entanto, veio a luz: principalmente a partir do século XV, surgiram na Europa grandes artistas e pensadores, que se destacaram nas artes, ciências, literatura, música, arquitetura, política e filosofia, contribuindo para provocar profundas mudanças culturais e sociais. O que se buscava era romper com o passado e resgatar o humanismo, ou seja, a ideia de que “o homem era a medida de todas as coisas” (conforme afirmou o filósofo grego Protágoras). Foi a época das grandes navegações, de inovadoras teorias sobre o universo e da descoberta da prensa de tipos móveis, que permitiu a reprodução de materiais gráficos em grande escala.

 

Perspectiva e realismo

arte: Leonardo da Vinci

Nas artes, os primeiros traços do Renascimento surgiram na Itália, com as pinturas de Giotto di Bondone (na mesma época em que Dante Alighieri escrevia sua obra-prima, A Divina Comédia). Além de uma busca por resgatar os estilos clássicos da Grécia e Roma antiga, floresceram nessa fase técnicas como a da perspectiva linear, do trabalho com a profundidade e os contrastes entre luz e sombra, para dar mais naturalidade e realismo às pinturas, além do estudo da anatomia e das emoções humanas.

Embora o Renascimento tenha sido um movimento que abrangeu as mais diversas áreas do conhecimento, entre seus expoentes estão dois artistas plásticos italianos que se destacaram pela versatilidade: Leonardo da Vinci e Michelangelo, que inclusive inspiraram o termo “Renaissance man” (ou seja, “homem renascentista”), usado até hoje para definir pessoas que desenvolvem seus talentos e habilidades da forma mais ampla possível. A busca pela perfeição e pelo aperfeiçoamento constante são características dessa época.

A proposta por trás dos pensadores renascentistas, como um todo, era resgatar os ideais clássicos da antiguidade, que haviam se perdido durante a Idade Média, mas de certa forma “repaginando” esses conceitos e trazendo novas ideias para a expressão do pensamento e da criatividade humanas. Nesse contexto, o apoio financeiro dos patronos das artes foi de extrema importância para que as obras ganhassem visibilidade. Com certeza, o “apadrinhamento” de artistas pela afluente família Medici – e também pela Igreja Católica – foi um dos fatores que impulsionaram as artes plásticas nesse período.

Até os dias de hoje, o Renascimento é visto como uma época única e empolgante da história, principalmente no campo das artes. A revolução cultural que ocorreu nesse período deu origem a grandes avanços que influenciaram o futuro de toda a humanidade, graças a uma mudança drástica na maneira como as pessoas viam e compreendiam a realidade. Talvez o maior ensinamento, para a atualidade, seja de que mesmo em meio ao que nos parece caos e confusão, podem nascer ideias, esperanças, questionamentos, soluções e novas configurações de mundo.

 

Grandes nomes do Renascimento

Entre os artistas reconhecidos como gênios renascentistas estão pintores e escultores responsáveis por algumas das obras mais icônicas da cultura ocidental:

Leonardo da Vinci (1452–1519): Pintor, arquiteto e inventor italiano, autor de obras como a Mona Lisa e A Última Ceia.

arte: Leonardo da Vinci

 

Michelangelo (1475–1564): Escultor e pintor italiano, autor da famosa escultura de Davi e pintor da Capela Sistina em Roma.

A Capela Sistina, pintada por Michelangelo

 

Rafael (1483–1520): Pintor italiano, aprendiz de Leonardo da Vinci e Michelangelo. É conhecido por suas pinturas da Madonna e por A Escola de Atenas.

arte: Rafael

 

Donatello (1386–1466): Escultor italiano, conhecido por esculturas como São Jorge e Davi, uma obra comissionada pela família Medici.

arte: Donatello

 

Sandro Botticelli (1445–1510): Pintor italiano, renomado por obras como O Nascimento de Vênus e Primavera.

arte: Sandro Botticelli

 

Giotto (1266-1337): Pintor e arquiteto italiano, cujas pinturas realistas das emoções humanas influenciaram muitas gerações de artistas, famoso por seus afrescos na Capela de Scrovegni, em Pádua.

arte: Giotto

 

Ticiano (1488–1576): Pintor italiano, celebrado por seus retratos de papas, além de pinturas religiosas como Vênus e Adônis e Metamorfoses.

arte: Ticiano

 

Pieter Bruegel, o Velho (1525–1569): Pintor holandês que inspirou artistas do Renascimento a retratarem temas do dia a dia, como em sua obra Caçadores na Neve.

arte: Pieter Bruegel, O Velho

 

ARTIGOS
RELACIONADOS

O artista plástico Eduardo Srur fala sobre como a arte é capaz de transformar a paisagem das cidades e provocar reflexões   Eduardo Srur cria sua arte para o mundo, para ser vista. Por isso, escolheu o espaço urbano como tela. Conhecido por instalações que levantam questionamentos sobre as interações…

Antes marginalizada, a expressão artística no espaço urbano tem ganhado reconhecimento e popularidade   O grafite é uma arte que carrega uma reputação controversa. Conhecida como expressão de rebeldia, por muito tempo foi considerada como mero vandalismo, sendo uma prática ainda criminalizada em muitos países. Apenas recentemente, artistas grafiteiros passaram…

“Decidi não esperar as oportunidades e, sim, buscá-las. Decidi ver cada dia como uma nova oportunidade de ser feliz.” – Walt Disney, o exemplo incansável da busca pela excelência   A experiência Disney é realmente algo inesquecível na vida de quem já visitou os parques da franquia – tanto crianças…

Comemore o Dia do Cinema Brasileiro criando uma sala de exibição em casa, para curtir nossa seleção de dez premiados filmes nacionais   Desde o início do ano passado, uma das coisas de que mais sentimos falta é poder ir ao cinema com a família ou amigos e curtir um…

Você já pensou que sua mãe parece uma personagem de filme?   Aquela história de que “mãe é tudo igual” talvez tenha um fundo de verdade, embora cada filho veja sua mãe como um ser único no mundo. O que provavelmente já aconteceu com quase todas as pessoas é ir…

O irreverente festival de artes e música agita o Black Rock Desert, nos Estados Unidos, há mais de 30 anos   Foi no verão de 1986, em San Francisco Beach, na Califórnia, que um grupo de amigos organizou o primeiro Burning Man da história. A iniciativa de construir uma figura…

A moda vai muito além de desfiles, fotografias e editoriais. No cinema e em séries, diversos ícones da moda já tiveram suas histórias contadas. Pensando nisso, preparamos uma lista de produções imperdíveis sobre essas personalidades, para que os admiradores do mundo fashion possam conhecer mais sobre a vida e a…

O movimento artístico que agitou os anos 1950 e 1960 nos Estados Unidos e no mundo, revelando nomes como Andy Warhol, Keith Haring e Roy Lichtenstein   “A vida não é uma série de imagens que mudam conforme se repetem?”  Andy Wahrol Obras de arte extremamente coloridas, com foco em…